sábado, 31 de agosto de 2013

Lee Friedlander

Eu tinha desistido rapidamente de ter todos os livros do Lee Friedlander (...se tal fosse possível), mas agora a ideia parece viável.
Lee Friedlander: Stems
Distributed Art Publishers', New York, 2003. 96 pp., 66 tritone drytap illustrations, 10x12".  
ou ed. Steidl - fora do catálogo


"Of all the books to cross my desk this season, Stems, along with Aaron Siskind 100, is the most elegantly designed, beautifully produced of them all. During a period of a few years in the mid-90s, Lee Friedlander turned to the still life genre as a direct response to the vicissitudes of his life. Aching knees and eventual replacement of both knees, had forced him to consider a less mobile lifestyle and the vases of flowers his wife Maria placed around the house during this time caught his eye. His camera soon followed.  ' Not only would the stems fall into wild array, the vases produced with them a kind of optical splendor. They added a perverse note to the optical qualities of the fine camera lenses. Helter-skelter light refractions and optical exaggerations, as well as compound reflections, happened naturally. A kind of inflammatory effect.' - Lee Friedlander. What designer Katy Homans has done with these vibrant still lifes, however, is truly wonderful. Printed on a heavy mat paper using a special drytrap process, these images are between boards wrapped in a stem-like green cloth. The endpages-a dusty rose color-pleasantly surprise one upon opening the book in much the way the inner petals of a flower reveal themselves only to the attentive. A truly gorgeous book.

www.photoeye.com/bookstore In 1994, suffering from aching knees and painfully concerned about it, Lee Friedlander decided to prepare himself for a sedentary life. He began to pursue the still life as a possibility and maybe a way of photographic life-a dramatic shift for a man who has spent his life photographing on the street, in the woods, on the road, at parties, anywhere but sitting down. He tried a variety of subjects with a few good results, but nothing stood out until he began to look at the fresh flowers that his wife Maria placed around their home in cut-glass vases. But nevermind the flowers. True to Friedlander’s style, he very quickly found himself most interested in the stems. During the months of February, May, June and December of 1994, he focused his lens on wild arrays of stems and the optical splendor produced by light refracting through the glass vases that contained them. In 1998, Friedlander had both of his knees surgically replaced. Three months of recovery time passed during which he took no pictures, the only gap in almost 50 years of working. The next year, successfully rehabilitated and walking without pain, Friedlander decided to re-apply himself to the stems and finish them off as a subject. Published in a lush, oversize volume, printed with a special drytrap process, Stems is the result of this unusual saga in the photographer’s career. Lee Friedlander and his camera have now returned to the street.

www.photoeye.com/bookstore

2


Frederick Law Olmsted Landscapes.
Photographs and text by Lee Friedlander.
D.A.P., New York, 2008. 84 pp., 89 tritone illustrations, 13x12¾".

Publisher's Description
A natural chronicler of all things uniquely American, photographer Lee Friedlander here puts his lens to the work of Frederick Law Olmsted (1822–1903), designer of many of this country’s most iconic public landscapes and the father of North American landscape architecture. Olmsted was responsible for a staggering number of America’s greatest parks, including the Niagara reservation (North America’s oldest state park),Washington Park, the Biltmore Estate, the U.S. Capitol building landscape and entire parkway systems in Buffalo and Louisville. His most famous work remains New York City’s Central Park, a pioneering egalitarian gesture that, at the time, was very unusual for its ready accessibility. This book, published to coincide with The Metropolitan Museum of Art’s 2008 exhibition, compiles 89 photographs made by Friedlander in Olmsted’s public parks and private estates.

This stunning collection of rich tritones celebrates the complex, idiosyncratic picture-making of one of the country’s greatest living photographers, and also arrives upon the 150 year anniversary of Olmsted’s 1858 design for Central Park. Rambling across bridges and through open meadows and dense undergrowth, Friedlander locates a pure pleasure in Olmsted’s designs—in the meticulous stonework, the balance of exposure to shade and in the mature, weather-beaten trees tha

http://www.photoeye.com

3

FRAENKEL GALLERY/HASSELBLAD FOUNDATION

Lee Friedlander: Apples & Olives


The master photographer best known for his extensive, insightful documentation of "the American social landscape"-- from jazz musicians to factory hands to New York pedestrians and office workers zoning out at their keyboards -- has recently been spending more time looking at the literal, natural landscape. His monumental 2005 MoMA retrospective showed, for the first time, a new series of landscapes made in the American West, while for Olives and Apples, he has looked back over the last decade's work and culled a forest, tree by tree. His docile subjects, apple trees photographed in New York State and olive trees photographed in France, Italy and Spain from 1997-2004, are presented in circumstances ranging from sunny, leafy summer health to glittering winter ice-storm glory. Some of the most striking compositions are shot from just inside the reach of a tree's furthest twigs, so that expanding branching limbs fill the frame, stretching out around the viewer.



Apples and Olives.
Photographs by Lee Friedlander. 
Fraenkel Gallery, San Francisco, 2005. 65 pp., 55 duotone illustrations, 9¾x10½". 

Apples and Olives is an absolutely lovely photobook; sumptuously printed, elegantly designed (with the colorful endpages that Friedlander and designer Katy Homans are known for) and, above all, filled with singularly amazing images. But when it comes down to it, Lee Friedlander is a difficult photographer to talk about. As last year’s massive MoMA catalogue illustrates, he has traversed the photographic landscape rather thoroughly, moving from editorial work to street photography to any number of personal projects, almost all of which have culminated in a book. The images in Apples and Olives come as direct offspring of a vision that was first realized in The Desert Seen and then again in Self-Portrait (from 2000, not the groundbreaking 1970 monograph), but that was most ascendant in Sticks & Stones. Throughout his career, Friedlander has consistently used specific subject matter (like the urban landscape, or the desert, or apple and olive trees) to explore the flat picture plane. More specifically, in the four aforementioned books, it is a square, black-andwhite, photographic two-dimensionality that he is playfully yet sophisticatedly concerned with. Friedlander is a master of creating unity out of diverse shapes and tones in the two-dimensional picture plane. On this level, the subject matter is arbitrary and irrelevant. The work, however, is not.
 







http://www.photoeye.com








Na livraria da Culturgest compram-se ao preço da uva mijona, isto é, a preços imbatíveis ou de saldo, mas novos.

20 € + 27,50 € + 17,50€ (ed. harcover a preços hardcore). Obrigado CGD

(Em tempo: reapareceram os catálogos da exp. OFERTÓRIO, de José M. Rodrigues) Nenhum outro fotógrafo português poderia ombrear com o Friedlander, fazendo outra coisa (auto-retratos, nus, paisagens, etc.)





























domingo, 25 de agosto de 2013

"De Maputo" itinerante

Agora no Centro Intercultura Cidade, até 28 de Setembro:


Antes n´A Pequena Galeria


e assim:





Sines, IMPROVISOs - 2

 É uma exposição para esmiuçar, para rever e revisitar, tb através dos catálogos anteriores do JMR: 
a sequência quase ao centro na foto 2 de Sines (série de 6 quadrados a preto e branco) 
esteve representada em "Ofertório" 1998 por uma imagem isolada: 
Amsterdam 1986 (prata, 38x38cm) - pág. 44, secção Retratos e Auto-retratos. A cara do autor sobrepõe-se a um manequim sem rosto, numa filiação surrealista

Na "Antologia Experimental" de 2008 (Évora, Palácio da Inquisição, prod. Fundação Eugénio de Almeida, comis. Rui Oliveira, cat. esgotado), a série que era então de 5 fotos chamou-se Espelho/Mirror - Amsterdam 1986, em provas digitais 50x50cm:


Em Ankara 2009 (a tiragem de 750 cat. ainda não esgotou) eram também 5 provas, mas agora em Sines são seis como se vê acima...

Não se diz, mas alguns sabem e descobre-se numa observação cuidada, que se trata de um auto-retrato; o espelho que apareceu depois no título (antes Amsterdam 1986) é enquadrado por uma moldura sobreposta (o pai era um artista na realização de soberbos espelhos biselados, de grande tradição alentejana, e não só), e é a mão do fotógrafo que segura o disparador que se vê emoldurada - no 4º episódio da série o rosto passou a estar dentro da moldura. As cordas que noutros casos evocam martírios aqui lembram-me coisa de barcos, o que a parede (própria de algumas naturezas-mortas barrocas) inferior ainda mais acentua. Posso estar a ser sugestionado por saber que em certa fase da vida (Paris ou Amsterdão?) o Zé vivia num barco, mas não importa. Trata-se de um sequência fotográfica performativa e a observação deve ser tb movimentada.


#

No Expresso / Actual de 24 de Agosto, Jorge Calado escreveu sobre a exp. e Cristina Margato entrevistou o artista, que foi capa da edição, com um auto-retrato original especial para a ocasião


#

E em Sines, além da exp. do CAS (até 29 Set.) deve ver-se a do CCEN (até 28 Set.): 
a fotografia passa o Verão em Sines!






SINES, os IMPROVISOS do José M. Rodrigues - 1

1
No Centro de Arte de Sines, "sala" 03 (Foto JMR)


2

Sala 04 (Foto JMR) e, à direita, a rampa para a série dos Borgia/los Borja, exposta pela 1ª vez em Gandia (Valencia), 2010. No ângulo superior direito, a revisitação/recriação do retrato do filho Manuel (1996-2008):
Aqui numa imagem aproximada (Foto JMR): Sem título 1996/2008
No catálogo de Ankara 2009, "Experimental Anthology", ainda disponível, encontra-se reproduzid reproduzido com o título Garvão 1996/2008, digital print, 220x112 cm:

página do catálogo (nº31)


E é esta a versão de 1996 exposta na retrospectiva de 1998 "Ofertório", Culturgest/CGD (comis. Jorge Calado), nº 50 do cat.: Garvão 1996, halogenetos de prta 37x45,5cm. (Tudo se transforma, enquanto outros se repetem).





sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Alguém ensaia


  • Não, a ideia de que a fotografia é o retrato fiel de um parcela do mundo não é um equívoco que a acompanha (à fotografia) desde o início. O Hippolyte Bayard (um dos inventores - porquê a data de 1826 quando há várias outras?) tratou de o demonstrar logo em 1840, um ano depois da comunicação oficial.
    Não, a questão da reprodutibilidade não pesava como uma espécie de mácula na aura artística da fotografia no momento da sua invenção. Que raio de ideia!! Foi mesmo o contrário que aconteceu. 1º, a invenção não pode ser pensada como um momento. 2º, e mais importante, a invenção da fotografia insere-se na história das invenções de formas de reprodutibilidade, na sequência da procura dos processos de registo, gravação e edição, multiplicação (a estampa gravada, a miniatura, etc). A história da aura é um confusa especulação tardia. A cópia foi um meio corrente e apreciado de fruição e posse da arte. As diferentes técnicas da gravura visam a produção de múltiplos. O Benjamim não é tão fácil como parece...

    A mácula, se existia para alguns, era a substituição da mão pelo automatismo da máquina. Mas para outros esse era o grande mérito da coisa. O olhar auxiliado pela máquina óptica vem de muito longe, mas melhor ainda seria poder fixar e conservar esse olhar mecânico, essa visão efémera sustentada pela invenção de um instrumento que colmatasse a fragilidade da mão. (ver a especulação de Hockney e seguir a inteligência do seu olhar treinado de pintor.)


    Não, a idolatria das imagens não é um conceito antigo e central na cultura do cristianismo. A aceitabilidade das imagens e o culto que lhes é prestado como representação-substituição das entidades divinas ( o que não é o mm que "idolatria") foi uma questão diversas vezes considerada pela igreja católica ( por exemplo na Contra-Reforma - porque a proibição reformista das imagens também faz parte plenamente da cultura do cristianismo, no caso dos protestantes). Mas nunca foi aceite o "conceito" de idolatria - convém distinguir conceito e prática social. Ou seja, mesmo os idólatras não aceitam para si próprios o conceito de idolatria.



  • (Há aqui problemas conceptuais  com o conceito de conceito, e uma confusão entre idolatria e iconofilia, o amor ou gosto pelas imagens. Em tempos em que a iconofobia passou das austeridades iconoclastas para o estilo dito conceptual-minimalista corrente a desorientação aumenta.


  • A questão não ficou "resolvida" no Concílio de Trento, mas legislada. A vontade da interdição das imagens ( figuras, paisagens e coisas ) levou do simbolismo ao abstraccionismo.  A recuperação delas pela Pop, quando o abstraccionismo era uma arma da guerra fria,  foi logo combatida pelo conceptual-minimalismo, até hoje. Ler de Alain Besançon, L'Interdition des Images, a história toda desde a antiguidade.)

    Não, não é frequente designar a fotografia ficcional como "artística" (para iludir a questão da imitação da realidade). A fotografia artística com ou sem aspas tanto se quis ficcional desde o seu início (o teatro fotográfico, por exemplo, ficcionava - imitava realidades construídas) como quis fixar a realidade de muitos diversos modos, recriando-a, "imitando-a", sublinhando-a (por ex. conjugando diversos negativos), recriando-a, sublimando-a. As missões heliográficas que captavam a realidade fotografável do mundo queriam-se artísticas.