terça-feira, 1 de abril de 2014

O álbum de 1938 já referido em 1999


duas páginas de 1999



in "Arquitectura e Urbanismo no Espaço Ultramarino Português",  História da Expansão Portuguesa (coord. Bethencourt e Chaudhuri), Círculo de Leitores, Lisboa, 1997-1999, vol. 5,  pp.375-376.

(O livro foi depois reeditado pela ed. Temas e Debates, em 2000, com o mesmo formato.)

Antes de referir em 2002 o Álbum no livro Geração Africana, Arquitectura e Cidades em Angola e
Moçambique, 1925-1975, Horizonte, que citei na 'folha de sala', o José Manuel Fernandes revelou a sua existência e importância nessa publicação. Mas a abordagem por via da arquitectura não se repercutiu nos estudos gerais do mm volume.

Mais tarde foi possível identificar os pavilhões projectados por João Eugénio de Morim (pavilhão de Benguela, "de arrojada torre prismática facetada" JMF) e situar a intervenção de Fernando Batalha, autor apenas do Pavilhão Principal ou de Honra - ver foto acima.

Nota: não é seguramente a estátua de Salazar que se vê no salão principal do Pavilhão de Honra (parece, de facto), mas a de um navegador a identificar. O ditador aparece apenas, pelo que se pode averiguar no álbum, numa muito pequena fotografia, na também pequena e única sala de teor afirmadamente político.



Outras notas: os pavilhões não são todos de gosto Art déco, como o pp dirá adiante; o monumento é da autoria de J.E. de Morim (?).

O JMR destaca o Pavilhão das Informações, "de elegante lettering modernista na fachada envidraçada";
o de Benguela, "de arrojada torre prismática facetada" (Morim);
o posto emissor do Rádio Club de Angola, "de estética quase construtivista";
pavilhão do Bié, excepção revivalista ao gosto Art déco dominante;
o pav. dos caminhos de ferro de Benguela, "de fachada decorativa", apresentava a maqueta projectada por Cassiano Branco





Sem comentários:

Enviar um comentário