domingo, 28 de dezembro de 2014

Dr Elmano: 12 álbuns (notas)

Além dos 8718 negativos 6x6 digitalizados e divulgados pelo Arquivo Histórico Ultramarino - http://actd.iict.pt/collection/actd:AHUECC -, apresentados como "Levantamento de grupos étnicos em Angola na década de 30, séc. XX, por Elmano Cunha e Costa para a Agência Geral do Ultramar. Retratos, usos e costumes, feitiçaria, rituais, habitação, arte" 
existem no AHU 535 provas ampliadas (de alguns destes mesmos negativos) distribuídas por 12 álbuns. [ A Agência recebeu o acervo no início dos anos 1940 (1941?) e disponibilizou-o imediatamente (por exemplo a Mendes Corrêa), mas não se terá tratado de uma encomenda sua ]

Essa é a grande surpresa do estudo de Cláudia Castelo e Catarina Mateus publicado em O IMPÉRIO DA VISÃO, 2014,
org. Filipa L. Vicente. As autoras - que traçam o mais aprofundado perfil biográfico do autor, acreditam estar perante um "protótipo" para o Álbum Etnográfico de Angola, que o advogado-fotógrafo se propôs publicar em parceria com o Pe Carlos Estermann e de que fala logo em 1937, em Moçâmedes. Dão algumas informações suplementares: "as provas são impressas em papel fotográfico mate e com viragem a sépia".

Esclarecem as autoras que a "Missão fotográfica a Angola", diversas vezes referida (por exemplo por A. Sena, p. 261, que o diz "encarregado pelo Governo de organizar o Album..."), nunca existiu como tal, com carácter oficial reconhecido, sabendo-se apenas da encomenda de um documentário fotográfico no contexto das Comemorações Centenárias, o qual se destinou à Secção Colonial dirigida por Henrique Galvão, com contrato assinado a 12 de Junho de 1938 (n. 19, p. 87).
Foi realizado entre meados de 1938 e outubro de 1939, e em cumprimento daquele contrato procedeu E.C.C. à entrega de 896 clichés (clichés e não negativos, que são 8718, não correspondendo também aos 12 álbuns com 535 provas ampliadas - pág. 97). As atribulações do fotógrafo, quanto ao respectivo pagamento, estão documentadas em 1941 e 1943, contando com intervenção directa de Salazar.

Catálogo da Secção Colonial da Exposição de 1940 (pág. V). 
O Dr. Elmano figura no fim da 1ª página de retratos da equipa responsável, ao lado de Vasco Regaleira, Gonçalo Melo Breyner, Roberto de Araújo e José Bastos, mais os escultores Manuel de Oliveira e Júlio de Sousa (autor da capa de Negros, 1941), na 2ª página


Não é o fotógrafo que interessa às autoras: os 12 álbuns e das 535 provas positivas não são notícia  destacada e esta surge só no final do artigo. "Estes álbuns, embora de fraca qualidade de materiais [a encadernação? as folhas de álbum? o papel fotográfico?], despertam curiosidade: não só as provas são impressas em papel fotográfico mate e com viragem a sépia, conferindo-lhes um certo carácter 'artístico', (...)".  A seguir anota-se que a legenda das imagens é manuscrita em 4 línguas e é "decorada por desenhos de artefactos africanos ou elementos alusivos ao 'exótico', que mudam para cada grupo étnico." [Poderia pensar-se que estamos sempre no domínio do exotismo, nas fotografias e nos artefactos... mas trata-se de outros "elementos alusivos" - quais?]

O "carácter 'artístico'" não diminui o interesse etnográfico e antropológico da obra do Dr. Elmano. É mesmo uma garantia de qualidade fotográfica que reverte a favor do documentário.
E seria errado fazer residir o interesse etnográfico nos 8718 negativos 6x6 digitalizados e positivados (visíveis no site do AHU) e, em paralelo, situar o interesse artístico, com ou sem aspas, nas 535 provas ampliadas (provas de autor, presumivelmente) reunidas nos 12 álbuns. A obra fotográfica e etnográfica do advogado-fotógrafo-etnólogo, também político (monárquico e salazarista, mas certamente não filiado) e publicista ( "O Sul de Angola", Moçâmedes, 1937) e até espião (a favor da Alemanha, em 1941 na Guiné...), está também abundamente disponível nas páginas de várias edições impressas, livros e catálogos. Certamente em provas fornecidas sob a sua atenção, com os reenquadramentos e ampliações convenientes. O formato 6x6, o negativo quadrado, é só uma consequência do uso prático da Rolleiflex, nunca mantido nas provas finais.

Convirá reconhecê-lo decididamente como fotógrafo, expositor nos salões do Grémio de Arte Fotográfica (1938, 1940, 1943, pelo menos), de que foi sócio e dirigente (1941-44); e expositor em várias mostras individuais (quatro, de 1937, em Benguela, a 1951, em Lisboa, sem contar a repetição no Porto da de 1946), que eram raras à época, e também, em 1940, com presença destacada na Secção Colonial da Exposição do Mundo Português, Pavilhão de Angola e Moçambique, Sala 6. Para lá da extensa presença impressa em várias obras (Mendes Correa, Castro Soromenho e Henrique Galvão).

#

O dr. Elmano é um dos expositores do 2º Salão Internacional de Arte Fotográfica de Lisboa, em 1938, indicando residência em Mossâmedes (sic). Representa-se com: 273 - Um filósofo... de pevides e 274 - Sonolência, Bromóleos, mas nenhum deles é reproduzido. Não é certo que tenham tema africano.

Expôs em 1940 no 4º Salão, segundo C Castelo e C Mateus, p. 87, que não referem outras edições.

Aparece referido em 1941 no catálogo do 5º Salão como 4º vogal da direcção do Grémio, mas não expõe nessa edição (expõem entre outros Manuel de Oliveira e Cotinelli Telmo, membro do Grémio). 

Voltou a expôr no Salão 6º, de 1942-43 (1943), com "Na Costa de África, o mar amigo" (nº254, não rep.), como sócio do Grémio (e membro da direcção do Grémio Português de Fotografia, com residência já indicada em Lisboa. 

Não expõe em 1944 (ainda 4º vogal) e anos seguintes. Não sei dos catálogos anteriores a 1938 e de 39...

#

Exposições individuais:
1937, Benguela, p. 96, 100 fotografias
1938 - EXPOSIÇÃO DE FOTOGRAFIAS DE ANGOLA / PELO DR. ELMANO CUNHA E COSTA
com desdobrável (44 obras)
1946 - Exposição de Etnografia Angolana / Promovido pela Agência Geral das Colónias) (e Porto, Coliseu, 1947) catálogos, 
e 1951 - Exposição de Penteados e Adornos Femininos das Indígenas de Angola / promovida pela Agência das Colónias sob o patrocínio de S. Exª o Ministro das Colónias - catálogo, com 200 nºs 


Bibliografia passiva:
1938 - "Exposição de Fotografias de Angola pelo Dr. Elmano Cunha e Costa", não ass.
in Objectiva nº 15, Agosto, pág. 38*. 

1947, José Tenreiro, "Exposição de Etnografia Angolana", in Seara Nova, ano XXVI, nº 1020, 15 Fev. 1947, p. 18 (poeta são-tomense)

1947 - Exposição etnográfica de Angola / Elmano Cunha e Costa. - Possui ilustrações.
In: O Mundo Português. - II série, nº 7 (1947), p. 45-51
1951 - "Penteados e adornos femininos das indígenas de Angola" / sobre exp. de Elmano Cunha e Costa
In: Boletim geral das colónias.- vol. 26, nº 310.- (1951), p. 137- 141 (4 ilust do cat., 2 pgs)

Bibliografia activa:
Negros / Carlos Estermann, Elmano Cunha e Costa. - Lisboa : Livraria Bertrand. - XV + 207 páginas, [8] p., 1 est. ; 20 cm (ilustrado)

Alguns aspectos dos estudos etnográficos
In: Boletim geral das colónias. - Ano 19º, nº 220 (Outubro de 1943), p. 93-108

http://memoria-africa.ua.pt

 "O Regaleira e...os seus fantamas", Lisboa 1943

#

É possível situar um 1º período de actividade fotográfica que vai  até à exp. de 1938 (já com o projecto do Álbum Etnográfico do Império Colonial Português, referido em 1937)
Em 1938 fotografa a Exp. Feira de Angola
Um segundo período de campanha de 1938 a 1939, com vista à Exp. do Mundo Português. Referências directas em Negros
Em 1941 fotografa na Guiné a visita do ministro das colónias

Obras reproduzidas em: 
1940 (?). Exposição do Mundo Português. Secção Colonial. Dir. Henrique Galvão. Cat.* Indica-o como Colaborador fotográfico * (ver tb pgs. 271, 281 e 284) com 20 fot. de Angola


1943. Mendes Correa, Raças do Império. Com 98 fotog., creditadas e cedidas pela AGC

1946. Castro Soromenho, *A Maravilhosa Viagem dos Exploradores Portrugueses, Início da publicação em fascículos em 1946, até 1948. Ilustrações e arranjo gráfico de Manuel Ribeiro de Pavia e fotografias de Elmano Cunha e Costa (ambos não creditados). Ed.

195-, Henrique Galvão, Outras terras, outras gentes: viagens em África. Porto, 2 vol.



Dr Elmano, 4 fotos em leilão

O dr Elmano no mercado internacional...


com referências e imagens suspeitas. Reedições recentes numeradas...
Tiragens de 2010 (em ed. de 8 ex.) postas à venda em 2011. Por quem???

Certamente contrafacções, realizadas talvez a partir de provas de alguma colecção ou, mais provavelmente, de uma antiga cedência da Agência Geral das Colónias, já que os negativos conhecidos são sempre de formato quadrado, neste caso impressas sem o cuidado de seguir as tonalidades em geral sépia das provas de época. É essa 2ª hipótese a mais segura, justificando a inclusão da foto dita de Moçambique.

ver tb em Artprice:   http://fr.artprice.com/artiste/527501/elmano-cunha-e-costa/lots/passes/6/Photo
(cons. 29-12-2014)

referência no site Artprice:
"Smile black bride, la souriante future mariée, région de Cuanhama-Angola"
Tirage argentique, 2010
Date de création: c.1940
Signes distinctifs: #1/8 Titre Cachet atelier / verso 
Date de vente: 18/12/2011  



Smile black bride, la souriante future mariée, région de Cuanhama- Angola

 , um 1940 Medium: gelatin silver print: 40 x 30 cm (15,7 x 11,8 in)



Old man, Muchicongo- Angola -RDC

 To 1930

Black girl, jeune femme aux ornements 

To 1940

Black man - Roi d'un empire du Gungun Hana - Mozambique

 , um 1940


No 1º caso é possível encontrar na colecção do AHU pelo menos 3 fotos da mesma mulher, identificada sempre como noiva:
Noiva risonha n10123

Uma noiva n10190

Noiva cuanhama n10118
A 1ª das três fotos pode ser a imagem reeditada (ou é  um momento imediato), mas a busca permite observar o modo de trabalho do dr. Elmano, que não poupa negativos ao retratar os seus modelos.

No caso da 2ª foto, encontra-se no AHU o seguinte negativo

Tipo de velho dos Congos n9743 (no capítulo: Congos - Muchicongo - São Salvador do Congo a)
Author: Elmano Cunha e Costa; Local: São Salvador do Congo, Angola; Data: 1935-1939)    

A 4ª foto é + improvável... Não consta que o dr. Elmano tenha fotografado em Moçambique, embora seja ambígua a frase que se lê na pág. 271 do catálogo da Secção Colonial da Exposição do Mundo Português:  
"A documentação fotográfica exposta na sala nº 6 diz respeito à etnografia de Angola e Moçambique. Dela faz parte o notável documentário especialmente mandado organizar para esta exposição e que foi obra do Dr. Elmano da Cunha e Costa." 
                                                                 

quarta-feira, 7 de maio de 2014

1938, o Álbum comemorativo

outra síntese:
ÁLBUM COMEMORATIVO DA EXPOSIÇÃO-FEIRA ANGOLA 1938


Um fotolivro ignorado com fotografias de Firmino Marques da Costa e arquitecturas de Vasco Vieira da Costa

O álbum e a exposição esquecidos
Um feixe de temas: fotografia, arquitectura/design expositivo, política imperial e autonomismo (o governador António Lopes Mateus)
Firmino Marques da Costa (Ether 1987, a visita de Carmona)
Porto 1934 e Luanda 1938 (Benguela 1935 e Lisboa 1937 / 1940)
Vasco Vieira da Costa
O Plano de Fomento de 1936-38 
O autonomismo angolano (o novo Brasil, a posição pró-Angola)
O esquecimento (a II Guerra?)
A etnografia e arte indígena
Fotolivro

terça-feira, 6 de maio de 2014

1938, Os velhos colonos do Planalto

Outra vez - pela 3ª vez - os brancos pobres, os colonos do Planalto: ver agencia-foto


Na pág. 481 de Raças do Império, Mendes Correia, ed. Portucalense, 1943
(serão colonos madeirenses do Lubango / Sá da Bandeira, fundada em 1885)

No Álbum de 1938

Na Antologia da Revue Noire, 1998 (aqui com a legenda: "Fotografia A FOTO - 1953 Casal de colonos portugueses no Lubango")

Uma mesma fotografia e 3 imagens diferentes - recortada em 38, cortada (reenquadrada ao alto em 1998) e completa em 1943.
Sempre a mm imagem de um casal de colonos de origem madeirense, instalados no Lubango, de autor desconhecido, distribuída em Lisboa e Luanda. Em que arquivos existe hoje, isolada ou entre outras associáveis?
Os 58 anos indicados por Martins Corrêa situam o casal na migração de madeirenses promovida em 1985 em resposta à instalação de grupos boers. Um episódio histórico com aspectos muito particulares e ainda recordado no Planalto.

1938, a Exposição-Feira em "O Mundo Português"

Finalmente consegui entender o porquê do desconhecimento da Exposição-Feira Angola 1938.





Não é por falta de fontes que a Exposição-Feira ficou esquecida. É porque se fazem demasiados doutoramentos e mestrados e trabalhinhos escolares sobre temas ociosos; é porque não se investigou nem investiga a documentação que por aí existe. Não investigaram os doutores catedráticos e por isso não têm "moral" ou autoridade para fazer investigar os estudantes - aliás, como poderiam eles avaliar a investigação sobre temas e tempos que ignoram?

1938, Um Museu de Arte Indígena, Diário de Luanda

12 de Dezembro de 1937, citado no relatório do Museu da Diamang de 1937
http://apomargalerias.blogspot.pt/search/label/Jos%C3%A9%20Redinha
http://apomargalerias.blogspot.pt/2014/04/1938-diario-de-luanda-12-dez.html



As colecções de (Mons.) Dr.Manuel Alves da Cunha e Coronel Brandão de Melo, o interessante e valioso museu no Dundo, da Companhia dos Diamantes de Angola; os estudos de Diogo de Macedo.

segunda-feira, 5 de maio de 2014

Cronologia

CRONOLOGIA in progress
apontamentos

registada a 8 de Dez. 2013 < ACTUALIZAÇÂO


Outras fotos de Angola 1938 em "O Mundo Português"


O fotógrafo é certamente o mesmo mas a informação é muito diferente.  Na revista (nº 60, Dezembro, 1938) aparecem apenas o título e legendas, sem qualquer notícia adicional, comentário ou identificação de autorias arquitectónicas.

1938 Relatórios do Museu da Diamang 1

Diário de Luanda, 12 de Dezembro de 1937?: " A arte indígena na Exposição-Feira "

citado em http://www.diamangdigital.net/index.php?module=diamang&option=item&id=1




#

1936. Exposição de Arte Gentílica – África Portuguesa. Lisboa: Sala Portugal da Sociedade de Geografia de Lisboa, 19 a 26 de Abril de 1936 [Texto do conde de Penha Garcia]. cat.

1936. Exp. da colecção recolhida por José Redinha na Lunda

1938. Exp. de Elmano Cunha e Costa no SPN
«Exposição de Fotografias de Angola», in Diário da Manhã (5-7-1938) 
«Exposição de Fotografias sobre motivos de Angola», in Diário de Noticias (3-7-1938)
«No S.P.N. A exposição de fotografias do snr.dr Elmano da Cunha e Costa sobre motivos de Angola», in O Correio do Porto, (6-7-1938)
«No S.P.N. O chefe de Estado inaugurou ontem uma interessantíssima exposição de fotografias de Angola, in A Voz, Lisboa (5-7-1938) 
«No Secretariado de Propaganda foi inaugurada uma exposição de costumes coloniais da autoria do dr. Elmano da Cunha e Costa», in O primeiro de Janeiro, Porto (5/7/1938) 
«No S.P.N. Exposição de Fotografias do snr. Dr. Elmano da Cunha e Costa sobre motivos de Angola, foi ontem inaugurada pelo snr. Presidente da República», in Diário de Notícias, Lisboa (3-7-1938) 
«O chefe de Estado inaugurou ontem uma notável exposição de fotografias de Angola no Secretariado de Propaganda Nacional», in O Século, Lisboa (5-7-1938) 

1946. «Exposição de Etnografia Angolana, in Diário de Notícias, Lisboa (28-12-1946)

1949. Exposição de Arte Negra. (Colecção do Administrador de Circunscrição da Colónia de Angola, António Augusto Gonçalves de Melo). Lisboa: SNI/AGC. cat.
1949. «Exposição de Arte Negra», in Diário da Manhã (1-6-1949)
1949. «Arte Negra. Arte do Império», in Diário da Manhã (11-6-1949)


1951. «É notável a exposição de fotos de costumes angolanos e moçambicanos, inaugurada no SNI», in Diário da Manhã, Lisboa (24-6)
1951. « Vão ver como se penteiam e adornam as beldades da província de Angola na exposição que, por iniciativa da Agência Geral das Colónias se inaugura esta tarde no Secretariado Nacional de Informação , in O Século, (3-3-1951) 
1951. «Exposição Fotográfica da Lunda e Alto Zambeze» in Diário de Notícias, Lisboa (25-6-1951) 

#
(?)

1935. Exposição de Eduardo Malta. Porto, Salão Silva Porto, 1935, cat.
1936. «Exposição de Pintura de Carlos Carneiro - Modernismo e Arte Negra», in Diário da Manhã, Lisboa (17-1- 1936)

1940. Exposição de Eduardo Malta. Lisboa: Editorial Império, 1940. cat.
1940. «Eduardo Malta, pintor da Beleza Feminina, expõe no S.P.N.», in Diário de Lisboa (25-4)
«Exposição de Pintura e desenho de Eduardo Malta», in Diário da Manhã (29-4)
«Exposição de Pintura de Eduardo Malta, foi ontem inaugurada, no Salão do SPN pelo sr. Ministro da Educação Nacional», in O Século (26-4)

1942. «Exposição de Pintura de Eduardo Malta», in Diário da Manhã, Lisboa ( 17-11- 1942) 
1946. «A primeira portuguesa que faz quadros de África expõe hoje no SNI», in Diário Popular (30-6)
«Exposição de Isabel Areosa no Estúdio do SNI», in Diário da Manhã de 2-7-1946

1951. «Como o Alemão Reinhold Kuntze interpreta as terras e as gentes de Angola», in Diário da Manhã ( 2-6) 
1956. Exposição da Vida e da Arte Portuguesas. Lourenço Marques: Agência Geral do Ultramar. cat.
1960. 2ª Exposição de Pintura Moderna. Luanda, Grupo Desportivo e Cultural da CUCA. cat.



terça-feira, 29 de abril de 2014

A seguir: FLOW (fluxo) de José M. Rodrigues

Dia 4 Domingo às 18 horas (com pré-inauguração particular dia 3 e jantar)

FLOW






Flow / Fluxo

O título da exposição de José M. Rodrigues refere o conceito proposto por Mihaly Csikszentmihalyi, psicólogo húngaro (n.1934) conhecido pelos estudos sobre a felicidade e a criatividade, e em especial pela exploração da noção de fluxo / flow.  Designa um estado mental de completa concentração ou absorção numa actividade, com a experiência de uma imersão profunda e total na vida ou no trabalho criativo, esquecendo a passagem do tempo e necessidades físicas como a fome e a sede.

segunda-feira, 28 de abril de 2014

Ricardo Rangel e José Afonso, 1967 - 1969?


pp 16-17.


Nunca tinha reparado que a capa do livro Cantares, de José Afonso, edição das Associações de Estudantes de Lisboa, SCIP - AEIST, sem data (1969, conforme nota abaixo da AJA) tem na capa uma fotografia de Ricardo Rangel, não creditada. 
No interior há mais, alem de fotos não identificadas de Lisboa.

Foi na "loja" da Frenesi - Paulo da Costa Domingos que reencontrei o livro
 e reconheci a imagem da capa.

(A indicação das autorias - com incorrecções quanto às fotos? - estava feita na bibliografia da Associação José Afonso: http://www.aja.pt/bibliografia/ - não havia nada a descobrir...)

Na capa, fotografia do Ricardo Rangel, Moçambique 1924-2009. Publicou-se com o título "Pausa" na edição Moçambique a Preto e Branco, Codam, 1972 - um álbum produzido para ofertas de natal por uma empresa portuária de Lourenço Marques. E antes certamente em jornais e revistas. (ver AP 2011 livros-de-moçambique-depois-de-1972 )

É do RR também a foto da pág. 17 (publicada na mesma edição, como  "Criança",  e depois na capa de um livro da cooperação francesa de 1994, RR Photographe du Mozambique, Éditions Findakly, Paris (bilingue) - aí chamada "Xipamanine blues", 1959, com um enquadramento mais alargado, integral. A anterior "Pausa" reaparece como "Pausa do estivador", Lourenço Marques, 1958, negativo integral ao baixo, e a foto da pág. 15 é "Fogo na cidade do caniço", erradamente datada de 1970. (Uso os títulos portugueses)

José Afonso teria enviado as fotos de L.M. com a Autobiografia e as notas sobre os poemas (?). Terá sido a 1ª vez que se publicaram na "Metrópole" fotos de Rangel. O contacto teria sido feito por Luís Vilas-Boas, graças às ligações do meio do jazz**?

Por outro lado, parece-me ser / é de António Quadros o desenho que aparece no final  (p. 97 n.n.). Virá datado de Paris 59 (?) - Quadros encontra J.A. em Moçambique depois de 1964 - a colaboração entre ambos é conhecida. 

Outras fotografias vêm de África (p. 18, 33, 85) e as restantes terão origem na Editorial das AAEE, certam. posteriores às grandes inundações de Novembro de 1967. Não se justificará atribuí-las a RR, são fotos de Lisboa e não sei se cá teria vindo antes do 1º Festival de Jazz de Cascais, 1971**.

E quem será A.F. que assina o prefácio? (Flávio Henrique Vara, identificado abaixo)
| Cantares José Afonso Lisboa, 1969 (Associação de Estudantes do Instituto Superior Técnico), com 14 fotografias do moçambicano Ricardo Rangel. Prefácio de Flávio Henrique Vara. Inclui «Autobiografia» datada da Beira (1967) e um texto de António Quadros escrito pela mão de José Afonso. Esta publicação lisboeta assume-se explicitamente como desenvolvimento da iniciativa pioneira da Nova Realidade, e contou, como esta, com a colaboração do autor. Para além dos textos (e dos comentários) incluídos nas duas primeiras edições, integra outos textos de José Afonso ou por ele cantados, da autoria de António Quadros, Ferreira Guedes ou Luiz Francisco Rebello (a adaptação das canções de “A excepção e a regra”, de Bertold Brecht) e os respectivos comentários. Inclui também o texto completo de «Vejam bem» e de «Avenida de Angola» (com a excepção do refrão popular) e a terceira versão de «Grândola». O livro coloca os comentários em rodapé, o que facilita a leitura, e assinala explicitamente a autoria dos textos que não foram escritos por José Afonso. - See more at: http://www.aja.pt/bibliografia/#sthash.l7aZI4CF.dpuf

  Cantares José Afonso Lisboa, 1969 (Associação de Estudantes do Instituto Superior Técnico), com 14 fotografias do moçambicano Ricardo Rangel. Prefácio de Flávio Henrique Vara. Inclui «Autobiografia» datada da Beira (1967) e um texto de António Quadros escrito pela mão de José Afonso. Esta publicação lisboeta assume-se explicitamente como desenvolvimento da iniciativa pioneira da Nova Realidade, e contou, como esta, com a colaboração do autor. Para além dos textos (e dos comentários) incluídos nas duas primeiras edições, integra outos textos de José Afonso ou por ele cantados, da autoria de António Quadros, Ferreira Guedes ou Luiz Francisco Rebello (a adaptação das canções de “A excepção e a regra”, de Bertold Brecht) e os respectivos comentários. Inclui também o texto completo de «Vejam bem» e de «Avenida de Angola» (com a excepção do refrão popular) e a terceira versão de «Grândola». O livro coloca os comentários em rodapé, o que facilita a leitura, e assinala explicitamente a autoria dos textos que não foram escritos por José Afonso. - See more at: http://www.aja.pt/bibliografia/#sthash.l7aZI4CF.dpuf

José Afonso Lisboa, 1969 (Associação de Estudantes do Instituto Superior Técnico), com 14 fotografias do moçambicano Ricardo Rangel. 
Prefácio de Flávio Henrique Vara. 
Inclui «Autobiografia» datada da Beira (1967) e um texto de António Quadros escrito pela mão de José Afonso. 
Esta publicação lisboeta assume-se explicitamente como desenvolvimento da iniciativa pioneira da Nova Realidade, e contou, como esta, com a colaboração do autor. Para além dos textos (e dos comentários) incluídos nas duas primeiras edições, integra outos textos de José Afonso ou por ele cantados, da autoria de António Quadros, Ferreira Guedes ou Luiz Francisco Rebello (a adaptação das canções de “A excepção e a regra”, de Bertold Brecht) e os respectivos comentários. Inclui também o texto completo de «Vejam bem» e de «Avenida de Angola» (com a excepção do refrão popular) e a terceira versão de «Grândola». O livro coloca os comentários em rodapé, o que facilita a leitura, e assinala explicitamente a autoria dos textos que não foram escritos por José Afonso. - See more at: http://www.aja.pt/bibliografia/#sthash.l7aZI4CF.dpuf

domingo, 27 de abril de 2014

Exposições coloniais




Modernidade e exotismo estiveram associados desde os sécs XV, pelo menos (novas tecnologias e novos espectáculos tb: as exposições coloniais foram grandes espectáculos de massas, na pista das exposições universais desde 1851 *). Percorrido o globo e assegurada a globalização, a roda joga noutro sentido: são os antes-exóticos que viajam pelos mercados mundiais: como capital  ( investidor e/ou predador) e como imigrantes e/ou foragidos clandestinos, estes a lembrar antigos tráfegos esclavagistas mas agora espontaneistas, inorgânicos.

Foi preciso haver curiosidade para estabelecer o contacto e para explorar, nos vários sentidos da palavra. (O gosto pelo exótico é também uma procura do novo e uma vontade de saber. A etapa do zoo humano sucede ao gabinete de curiosidades, e é paralela ao museu). Reduzir tudo a questões de racismo é a posição da pior direita. Colocar o racismo a marcar só um dos lados é uma tolerância que assenta na ignorância e no masoquismo. (Estou a pensar em discursos e exposições que por aí se fazem.)

* ont « un but principal d'enseignement pour le public, faisant l'inventaire des moyens dont dispose l'homme pour satisfaire les besoins d'une civilisation et faisant ressortir dans une ou plusieurs branches de l'activité humaine les progrès réalisés ou les perspectives d'avenir »« Article 1, 1. de la Convention de 1928 concernant les expositions internationales » [archive], Bureau international des expositions
** http://expositions.bnf.fr/universelles/ : Exposition virtuelle Les expositions universelles à Paris 1867-1900, site de la Bibliothèque nationale de France
*** dd Paris 1855 associam indústria e belas-artes.


leituras recomendadas:

Zoos humains : Au temps des exhibitions humaines
2004 La Découverte/Poche 

Exhibitions : l'invention du sauvage
l'occasion de l'exposition présentée au musée du quai Branly du 29 novembre 2011 au 3 juin 2012.



Images et colonies - iconographie et propagade coloniale sur l'afrique francaise de 1880 a 1962. Ed. Association Connaissance de l'histoire de l'Afrique contemporaine,  MINISTERE DE LA COOPERATION , 1993)

1936
http://www.theheritageportal.co.za/article/johannesburg-1936-keeping-eye-out-souvenir-survivals

Angola 1938 - Arte Photographica

http://artephotographica.blogspot.pt/2014/04/esquecido.html

Agora (26 Abril, 2014) no blog do Sérgio B. Gomes, Arte Photographica, o texto de duas páginas do Público de 6 de Abril - onde me chamava galerista.

A exposição é apeada logo (2ª feira) e o álbum estará em breve digitalizado no site MEMÓRIA DE ÁFRICA.
Também será comentado (o álbum, os seus autores, o acontecimento que esteve na sua origem, o seu contexto fotográfico, as incógnitas que o envolvem, etc) no próximo Workshop do MUSEU DO TEATRO, a 8 e 9 de Maio: Fotografia / Investigação / Arquivo.


esquecido : "Luanda 1938, um olhar desconhecido"

Fotografia da primeira sequência do Álbum Comemorativo da Exposição-Feira de Angola, 1938

Luanda 1938, um olhar desconhecido

É um objecto gráfico imponente e que dificilmente passa despercebido. Mas o certo é que passou. A historiografia recente ignorou tanto a realização da feira como o Álbum Comemorativo que dela surgiu.

(Público, 6.04.2014)

A longa sequência de mais de cem fotografias começa com uma imagem óbvia nas inaugurações: uma cerimónia de corta-fita, onde o general Oscar Carmona, de farda alva, se destaca com a tesoura na mão. E a fita cai. Mas a partir daqui pouco parece encaixar muito bem no Álbum Comemorativo da Exposição-Feira de Angola, certame que se realizou em 1938, em Luanda. Como aliás toda história (ou a falta dela) desta obra esquecida e muito pouco estudada, que é um dos mais surpreendentes e notáveis fotolivros realizados em Portugal na primeira metade do século XX.


sexta-feira, 25 de abril de 2014

1982, Encontro de Fotografia Antiga

17-19 Nov. 1982, 
Arquivo Nacional de Fotografia, 
antigo Laboratório de Química do rei D. Carlos, Palácio da Ajuda
José Luís Madeira




parte de telex da Lusa (ou seria ainda Anop?)
O ANF desde 1976

Bibliog.: António Sena, " A fotografia contra o património", Expresso 27 Nov. 1982, pág. 31-31 R


os Arquivos em 1982

Há quase 32 anos...

DN 18 Nov. 1982: 1º Encontro Nacional de Fotografia Antiga. Org. de José Luís Madeira


Arquivo Nacional de Fotografia (em organização), Instituto Português do Património Cultural, Palácio da Ajuda,

DN 23 Nov. 1982:





O José Luís Madeira (1948-2012). Foto de Guta de Carvalho, trazida do Instante Fatal
 do Luíz Carvalho (12 Abril 2012). "He developed an important work in Portuguese photographic history, at several levels, and left unfinished books and exhibition projects, in particular those concerning Lisbon and Portuguese India photographic history. His death was a severe blow to the knowledge of these subjects in Portugal."Nuno Borges de Araújo

quinta-feira, 24 de abril de 2014

1938

Hipótese 1:
o que no Álbum comemorativo é a exaltação do moderno e da expectativa do desenvolvimento económico (conforme o desígnio oficial então identificado com a gente Pró-Angola, os colonos e as elites dos naturais brancos e pretos - invocando Norton de Matos explicitamente através do precedente da Exposição Provincial de Benguela - Nova Lisboa, 1935) aparece nas outras más fotografias conhecidas e em alguma informação (Diário de Lisboa da época) como uma iniciativa desmesurada e árida, sem população visitante que a justifique. O álbum fotográfico é uma obra de excepção. A Exposição é angolana, sem Henrique Galvão nem António Ferro.

De facto, não é a exibição que importa (importava) mas a aprovação do Plano de Fomento de Angola (um ano depois do de Moçambique). Formulado em Luanda em 1936, promulgado em 1938 em cima da hora. A notícia dos milhões (80, depois 115,5) ocupa as páginas, e justifica a escala do certame.

Mas o início da II Guerra e a penúria de recursos que dela resulta vai adiar os projectos do Plano (até ao Plano seguinte, já não local mas geral, português - a centralização vai continuar). O governador é promovido para a Diamang; os colonos voltam a reclamar (Monsenhor doutor Alves da Cunha vai deportado para Lisboa em 1941).
Depois da Guerra a história muda, o tempo é já outro, o episódio de 38 é esquecido.

É de Fantasia Africana que se trata, como de costume.
O Álbum de 1938 é um intervalo recalcado entre o Porto 1934 e Lisboa 1940. Uma alternativa inviabilizada